Atleta de Roraima busca adaptação ao calor de Dracena

O fixo Raylson foi um dos últimos nomes confirmados pelo Dracena e logo depois do acerto, decidiu poupar tempo e recursos. Isso fez com que o atleta chegasse direto do vizinho Paraná, onde atuava, e abrisse mão de visitar sua terra natal, Roraima. O esforço feito ainda não foi sinônimo de adaptação plena ao calor da região, porém o ajudou a construir as primeiras boas impressões.

Quanto à dificuldade climática enfrentada, ela vem graças às temperaturas mais baixas de sua ex-casa, Laranjeiras do Sul (PR), suficientes para fazer Raylson esquecer que cresceu no calor nortista. Por outro lado, além das boas impressões acerca dos companheiros, ele destaca o acolhimento que teve em Dracena, fator importante neste momento de adaptação em terra desconhecida até então.

“A cidade é maravilhosa, tirando o calor. Venho do clima do Paraná, mais fresco. A cidade é boa, fui bem recebido, e está tudo certo”.

Seguindo a análise do roraimense, a impressão tirada deste período inicial poderá contribuir não somente com a necessidade de se acostumar à região. Ele garante que tudo o que já foi vivenciado ao lado dos novos companheiros serve como grande motivação.

E, se a temperatura apontada pelos termômetros ainda causa certo incômodo, o clima entendido como sinônimo de entrosamento entre o grupo dispensa essa preocupação e justifica as boas projeções. Assim, a reformulação da qual faz parte tem feito todos “esquentarem a cabeça” menos do que com o calor.

“Clima bom. Todo mundo bem companheiro, todo mundo se ajudando do jeito que dá. A gente sabe que tem esse período difícil, de pandemia. Mas, mesmo diante das dificuldades, a gente está procurando se ajudar ao máximo. Dá para ver que a galera é boa, e está todo mundo na mesma linha de raciocínio, querendo fazer um bom ano”.

Raylson falou ainda sobre a saudade de correr atrás da bola, o que ainda terá que esperar um pouco mais. O Dracena se apresentou na última quinta-feira (11), e o planejamento dos próximos dias reserva uma agenda voltada basicamente aos testes e avaliações físicas. O primeiro campeonato nesta temporada é a Copa Paulista, e seu começo é esperado para abril.

“Bate um pouquinho a saudade. Quem vive da bola, passou um mês sem treinar, fica assim. Mas não podemos atrapalhar as coisas. É preciso fazer os testes, vamos fazer a pré-temporada bem feita, pois uma pré-temporada bem feita vai nos ajudar bastante no decorrer do ano. Aí, aos poucos, o Flavinho (Cavalcante, técnico) vai colocando a bola, implantando o que ele quer, para colhermos os frutos durante o ano”, encerrou.

Com  informações: Globo Esporte.com | Foto: Reprodução/TV Fronteira