Marquinhos Silva avalia desempenho do N10/Jundiaí na LPF

Em seu segundo ano de participação na LPF (Liga Paulista de Futsal), o N10/Jundiaí se despediu da competição na última semana, quando empatou com o Corinthians por 3 x 3, no Ginásio Wlamir Marques (zona leste de São Paulo), pelas oitavas de final. No jogo de ida, em Jundiaí, interior do Estado, o N10 foi superado em 3 x 2.

Na fase de grupos, a equipe jundiaiense foi até Campinas, onde perdeu para o donos da casa por 6 x 1. Até então, o elenco contava com o treinador Andrezinho, o qual não ficou no banco por que cumpria suspensão automática. A partir da segunda rodada, diante o Indaiatuba, o N10 já teria um novo técnico: Marquinhos Silva.

A partir de então, a equipe fez bons jogos  e se garantiu nas oitavas de final, ao se classificar em terceiro lugar em seu grupo, atrás da AD Indaiatuba e do Pulo Futsal. A seguir, Marquinhos Silva fala a respeito da temporada 2020:

“Primeiro, precisamos parabenizar toda a diretoria do N10 pelo segundo ano consecutivo participando da LPF, sempre digo que para que exista evolução é necessário persistência. Posso falar da equipe a partir do momento que assumo como treinador, após a primeira partida contra a equipe do Pulo Futsal. Da partida contra o ADI até a eliminação para o Corinthians, tivemos um mês e meio de muito trabalho e empenho colocando a nossa filosofia e modelo de jogo de forma simples e o mais eficiente possível, o que nos levou a classificar o N10 pela primeira vez aos playoffs, lembrando que o mérito foi de todos, um trabalho de muita sintonia entre diretoria, comissão técnica e o pessoal do Clube Primavera.

Dentro da nossa realidade, do pouco tempo de trabalho que tivemos acredito que realizamos tudo que estava ao nosso alcance. Fomos eliminados pelo atual bi campeão do torneio,  fizemos dois excelentes jogos, claro, poderíamos ter classificado sim, mas entendemos que perdemos para uma equipe de muita tradição no futsal e com uma estrutura que ainda não possuímos. Portanto encerramos nossa participação na LPF com a sensação de dever cumprido, talvez com mais tempo de trabalho fosse possível evoluir ainda mais a equipe e chegar mais longe. Mas não procuramos nos apegar ao que não tivemos, desde o princípio nos propusemos a realizar o melhor que podíamos dentro da realidade e o tempo que tínhamos.

Foto: Augusto Godoy